Uma senhora de 91 anos se graduou na Universidade Aberta Sukhothai Thammathirat, que fica em Bangkok, na capital da Tailândia. Kimlan Jinakul demorou mais de 10 anos para concluir a graduação, mas, mesmo com todas as dificuldades, conseguiu se formar nesta quarta-feira, 9.

Kimlan disse ao portal da BBC na Tailândia que sempre quis ir para a universidade. Só que, quando ela era mais nova, nunca houve a oportunidade, pois isso não era uma possibilidade na época. Ela frequentou uma das melhores escolas de sua província, em Lampang, e tinha boas notas. Depois de concluir os estudos, a família de Kimlan se mudou para Bangkok e ela se casou.

Mesmo não dando continuidade aos seus estudos, Kimlan disse que sempre incentivou seus filhos. “Eu sempre quis, no entanto, que meus filhos pudessem estudar. Então eu os encorajei e dei suporte para eles quando quiseram ir para a universidade”. Quatro dos cinco filhos dela já fizeram mestrado e um deles chegou a concluir um curso de PhD nos Estados Unidos.

Foi a iniciativa de uma das filhas dela, que já trabalhava em um hospital, ao entrar em um curso na Universidade Aberta Sukhothai Thammathirat, que a incentivou a começar a graduação. Ela resolveu começar o curso junto com a filha, isso quando Kimlan já tinha 72 anos. Contudo, a filha dela faleceu no meio do processo e depois disso Kimlan deixou o curso.

Alguns anos mais tarde, quando ela já tinha 85 anos, ela tentou mais uma vez. Foi nessa tentativa que ela concluiu o curso de Ecologia Humana, programa esse que ela disse que a ensinaria como viver uma vida boa e feliz. “Depois de me recuperar da perda e da tristeza, eu me incentivei a terminar esse programa. Eu espero que a alma da minha filha esteja feliz em ver isso”, disse ela para a BBC.

Sobre a motivação para estudar, Kimlan disse que “nunca é muito tarde. Minha mente está sempre acordada e afiada para o aprendizado”. Durante o tempo na universidade, a rotina diária dela consistia em acordar cedo e fazer doações aos monges budistas, visitar um templo na região e eventualmente sentar e estudar. “Esse mundo nunca para. Sempre existem novos problemas para resolvermos. Se não houvesse novas ciências, o mundo pararia de prosperar”, disse ela.

Quando perguntada sobre o que ela planeja agora que ela possui o diploma, ela brincou ao dizer: “eu não acho que alguém iria me empregar se eu procurasse por um trabalho”, e adicionou dizendo que iria “apenas continuar a cuidar dos meus netos”.